sábado, 15 de abril de 2006

Pensamento é um momento que nos leva a emoção


Humberto Maturana salienta o quanto nossa cultura privilegia a formação do indivíduo como um ser que necessita tornar-se competitivo para alcançar o sucesso. Para constatar isso, nos diz Maturana que, basta observar o dilema atual dos estudantes entre preparar-se para o mercado de trabalho competitivo versus o desejo de mudar uma ordem político-cultural geradora de excessivas desigualdades que trazem pobreza e sofrimento material e espiritual com o qual nos deparamos a todo momento em todos os lugares.
Para termos sucesso, temos que competir. Em sua visão, a competição é um fenômeno cultural-humano e não biológico.
Nossa educação hoje se encontra ainda voltada ao racional. Entretanto, todo sistema racional tem um fundamento emocional. A grande dificuldade é que vivemos numa cultura que desvaloriza as emoções. E nós, nos vangloriamos de sermos seres racionais!!!
A emoção para Maturana não é sinônimo de sentimento. Emoções são disposições corporais dinâmicas que definem os diferentes domínios de ação em que nos movemos. Biologicamente, as emoções são dispositivos corporais que determinam ou especificam domínios de ações. Isso fica evidente quando nos damos conta de como reconhecemos as diferentes emoções em nós e nos outros, observando o domínio de ações ou fazendo uma apreciação sobre o domínio de ações que sua corporalidade conota.
Emoções: “os diferentes domínios de ações possíveis nas pessoas e animais, e as distintas disposições corporais que os constituem ou realizam.” (Humberto Maturana)
Extrato do texto de Maria do Céu Lamarão Battaglia

Um comentário:

Claravix disse...

o texto é bom, a foto é feia.

comentários para anônimos já!

mari.